Santo do Dia

<<  15/10/2018(2ª-FEIRA)  >>

Santa Teresa D`Ávila

É a mãe e reformadora do Carmelo. É ela quem, como mestra da oração, nos ensina o modo de viver o carisma que Deus lhe deu. Nasceu em Ávila, no dia 28 de março de 1515. Ouvindo a leitura dos santos, decidiu-se ir à terra dos mouros para ser "decaptada" por amor a Cristo. Fugiu da casa do pai com 20 anos para entrar no Carmelo da encarnação. O seu desejo de uma vida de maior oração e perfeição levou-a a iniciar um novo estilo de vida carmelita: as monjas descalças e depois, também, os frades. A Igreja, ao proclamá-la doutora, reconhece a grande importância da sua doutrina. Escreveu obras importantes de espiritualidade, entre as quais se destacam: Caminho de Perfeição, Castelo Interior ou Moradas e Livro da Vida. Santa Teresa é uma figura amável, é uma profetiza da oração. Morreu no dia 4 de outubro de 1582. "Que teu desejo seja ver Deus, teu temor, perdê-lo, tua dor, não possuí-lo, tua alegria, aquilo que te pode levar a Ele, e assim viverás em paz." "A oração não é mais que um íntimo relacionamento de amizade a sós com aquele de quem sabemos ser amados.""Quem pede a perfeição é inundado de tantas graças a ponto de atingir aquele elevado grau que é próprio dos que já a alcançaram." " Por mais profunda que seja, a verdadeira humildade nunca inquieta, nem agita, nem perturba a alma, mas inunda de paz, de suavidade e de repouso." "Deus distribui os seus bens como quer, quando quer e a quem quer, sem fazer discriminação com ninguém." "É tão grande o amor do Senhor por nós que, em consequência àquele que nós tivermos pelo próximo, Deus fará crescer em nós, mediante milhares de expedientes, também aquele que nutrimos por Ele." A Ordem Carmelitana teve seu berço no Monte Carmelo, na Palestina, e seu espírito está caracterizado por dois elementos: sua origem eliana (Sto. Elias) e sua dedicação a Maria. São os gérmens que abrem, continuam e fecharão a história, a tradição e a espiritualidade do Carmelo. Carmelo significa graça e fertilidade. A Biblía o pinta como uma torrente - a fonte de Elias - e uma vinha fertilíssima. Segundo a tradição, os primeiros eremitas, que no século XIII iniciaram a vida monástica no Monte Carmelo em honra da Virgem Maria, voltaram-se para Elias, tomando-o como exemplo da própria vida, juntamente com a Mãe de Deus. A Ordem do Carmo reconhece no profeta Elias, seu pai e fundador, não materialmente e sim espiritualmente. Também a Igreja o Vê assim. Hoje o Monte Carmelo é morada dos Carmelitas Teresianos (não todo ele). Porém nos dois lugares mais importantes moram os Carmelitas: o convento do Sacrifício e o Santuário, berço da Ordem, onde seus moradores tratam de reviver recordações antiquíssimas bordadas de histórias e de lendas. Parece todavia ouvir-se a voz de Isaías que disse: "A santidade se assentará sobre o Carmelo", repetida como num eco pelo profeta Jeremias: "Conduzi-os à terra do Carmelo para que comêsseis os seus melhores frutos". A Ordem Carmelitana passou em sua história por inúmeras reformas, porém, entre todas as tentativas de reforma, a mais definitiva e eficaz foi a empreendida por Sta. Teresa de Jesus (Sta. Teresa D`Ávila), na cidade espanhola de Ávila dos Cavaleiros. O que não conseguiram homens santos e sábios, o conseguiu esta mulher, lutando contra marés, graças à ajuda divina mais que humana. Em 24 de agosto de 1562, se erguia o primeiro Mosteiro reformado sob o patrocínio de São José na cidade de Ávila, berço da reforma. Anos depois, a reformadora se entrevista com o jovem frei João de Yepes (São João da Cruz), lhe fala com entusiasmo de seus intentos e o convence à fundar Conventos de homens com o mesmo estilo de vida, homens que fossem "claros espelhos, lâmpadas ardentes, tochas acesas, estrelas resplandecentes capazes de esclarecer e guiar os viajantes deste mundo". Em 28 de novembro de 1568, se abria já em Duruelo o primeiro Convento dos Carmelitas Descalços. A semente lançada pela mão de Teresa foi crescendo segura e firme, de tal maneira que quando morria já se haviam levantado 17 Mosteiros de monjas e 15 de frades. Tudo isso lembra nossa origem.Não só épocas de profetas e ditos bíblicos. Recorda também as glórias mais puras da Ordem, assinala seu itinerário no tempo e sua coroação na eternidade pelo cumprimento de sua missão. Hoje a reforma Teresiana conta com 3.704 religiosos no mundo, com umas 40 províncias, vucariatos e delegações e com vida missionária vigorosa. Prova de sua fecundidade são também as Irmãs Carmelitas em torno de 11.000, e as numerosas Congregações de Irmãs como as Carmelitas Missionárias, a Companhia de Sta. Teresa, a Instituição Teresiana e muitos outros ramos, nascidos das fontes da espiritualidade e Carisma eliano-teresiano, inclusive há umas cinco congregações brasileiras de inspiração Carmelitana. Santa Teresa nasceu em Ávila, Espanha, em 1515. Seu nome era Teresa de Cepeda Y de Ahumada. Foi grande amiga do seu conselheiro espiritual São João da Cruz, também doutor da Igreja, místico e reformador da parte masculina da Ordem carmelita. Por meio de contatos místicos e com a orientação de São João da Cruz, iniciou aos 40 anos de idade, com saúde abalada, a reforma do Carmelo feminino. Começou pela fundação do Carmelo de São José, fora dos muros de Ávila. Daí partiu para todas as direções da Espanha, criando novos Carmelos e reformando os antigos. Provocou com isso muitos ressentimentos por parte daqueles que não aceitavam a vida austera que propunha para o Carmelo reformado. Chegou a ter temporariamente revogada a licença para reformar outros conventos ou fundar novas casas. S. Teresa foi também mestra de muitos místicos e manteve correspondência com o rei Felipe II da Espanha e personagens ilustres da sua época. São suas essas palavras : "Teresa sem a graça de Deus é uma pobre mulher, com a graça de Deus uma força, com a graça de Deus e muito dinheiro, uma potência ". Por solicitação do seu confessor escreveu a história da sua vida, um livro de confissões. Desde a sua infância S. Teresa mostrou um temperamento exuberante. Aos sete anos fugiu de casa para procurar o martírio na África. S. Teresa deixou-nos várias obras, principalmente escritas para as suas filhas do Carmelo : "O Caminho da Perfeição", "Pensamentos sobre o Amor de Deus", "Castelo Interior", "A Vida". Morreu em Alba de Tormas na noite de 15 de outubro de 1582 aos 67 anos, e em 1622 foi proclamada santa. No dia 27 de setembro de 1970 o Papa Paulo VI reconheceu-lhe o título de Doutora da Igreja. Sua festa litúrgica é no dia 15 de outubro. "A oração não consiste em pensar muito, senão em amar muito"