Santo do Dia

<<  05/10/2018(6ª-FEIRA)  >>

Santa Faustina

Ou Santa Maria Faustina Kowalska. Santa Faustina morreu em Cracovia em 1938 foi beatificada pelo Papa João Paulo II em 18 de abril 1983. Ela tornou-se famosa primeiramente na Polônia e depois em todo o mundo por receber um pedido de Jesus para que todo primeiro domingo após a Páscoa fosse observado como o Domingo da Divina Misericórdia. Sua canonização teve lugar no ano de 2000, no Domingo da Misericórdia. Nascida em 25 de agosto de 1905, era a terceira de 6 filhos de uma família pobre na Glogowiec, Faustina Kowalska entrou na vida religiosa com a idade de 20 anos,e como membro da congregação da Nossa Senhora da Misericórdia ela trabalhou em diferentes conventos como servente, cozinheira e jardineira. No dia 22 de fevereiro de 1931 enquanto ela estava no convento em Ploc, ela recebeu uma visão na qual Jesus Cristo apareceu para ela pedindo para celebrar o Domingo da Divina Misericórdia. A figura de Cristo como Santa Faustina o viu uma visão de Jesus em roupas brancas com uma das mãos levantada abençoando, e a outra tocando o Seu coração- também ficou famosa no mundo inteiro. Em revelações subsequentes, Santa Faustina relatou que Jesus havia chamado para recitar o rosário da Divina Misericórdia, incluindo orações para aqueles culpados de graves pecados e orações específicas para o dia da festa. Santa Faustina faleceu no dia 5 de outubro de 1938, vários meses após receber a revelação final da observância do Dia da Divina Misericórdia. Os seus restos mortais permanecem no convento em Cracóvia junto com a foto de Jesus como ela O viu, como objetos de grande veneração. Foi canonizada pelo Papa João Paulo II em 30 de abril de 2000. Sua festa é celebrada no primeiro Domingo após o Domingo de Pascoa.

São Benedito, o Mouro

Um escravo negro, que é o padroeiro dos Afro-americanos e dos negros. Tambem conhecido como São Benedito, o negro. Nasceu em Filadelfo, perto de Messina, na ilha de Sicília, Itália, por volta do ano de 1526. Os pais eram de origem escrava e descendência de negros etíopes ou de mouros do norte da África, daí o fato de ser chamado de Benedito, o Negro ou o Mouro. O seu amo o libertou e ele passou a viver numa ermida em Montepellegrino, eventualmente passou a ser o superior de um grande grupo de reclusos. Quanto as ermidas foram extintas pelo Papa Pio IV (1550-1565), Benedito entrou para a Ordem dos Franciscanos com irmão. Com o tempo devido aos seus méritos foi indicado Superior do monastério apesar de ser analfabeto. Mais tarde tornou-se Mestre graças aos seus grandes esforços para conquistar suas deficiências educacionais e culturais. O seu grande amor a São Francisco de Assis e seu exemplo de caridade, fez com fosse eleito superior do monastério em 1.578, onde impôs uma estrita observância de pobreza e caridade. Diz a tradição que ele tinha ajuda de um anjo que o ensinava, pois foi um excelente dirigente do monastério e alem disso os milagres a ele atribuídos conquistaram um aumento enorme nas visitas as mais variadas (de monarcas a mendigos) ao monastério. Quando veio a falecer, de causas naturais, em 1589 o Rei Felipe III da Espanha mandou erigir uma tumba especial para ele, um simples frade. A tradição diz que quando suas reliquias foram trasladadas, anos depois, seu corpo estava incorrupto. Sua devoção é muito grande na Venezuela, Uruguai e Argentina e em Buenos Aires tem um santuário e um bairro com seu nome. Na Espanha é venerado na paróquia de Santiago de Redondela (Galícia). Ele foi canonizado em 1807. Sua festa é celebrada em 4 de abril. No Brasil ainda é comemorado na data antiga, ou seja em 5 de outubro.