Santo do Dia

<<  12/09/2018(4ª-FEIRA)  >>

São Guy (Guido) de Anderlecht

Nasceu em 950 em Anderlecht na Bélgica, de família pobre e foi educado pelos pais piedosos na religião cristã. Por muito anos ele abraçou a pobreza como se fosse um desejo de Deus para com ele.Cuidou do doentes e pobre na sua juventude.Certa vez quando trabalhava nos campos um anjo arava a terra para ele de modo que ele pudesse orar com tranqüilidade e sem se distrair. Ficava sempre por perto da igreja de sua terra e ajudava os padres de tal forma, que eles o fizeram sacristão, e ele as vezes vivia na igreja por vários dias e passava as noites em oração. Um mercador em Bruxelas propôs ao rapaz uma oportunidade de subir na vida e ofereceu a ele uma parte em projeto, que poderia trazer a fortuna para ambos. Mas na primeira expedição através do oceano o navio naufragou e Guy tomou como sinal que ele devia voltar a vida que vivia anteriormente Foi como um andarilho até Roma como penitencia pela sua ambição, e depois a Jerusalém onde trabalhou como guia para os peregrinos e depois voltou a Bruxelas. Embora ele nunca entrou para nenhuma Ordem Religiosa, ele fez o voto de castidade e dedicava grande parte de seu tempo para orar e trabalhar como sacristão. Muitos milagres post-mortem foram atribuídos a ele. Um festival anual formou-se em torno da área onde ele foi enterrado e em geral as festas envolviam cavalos e pessoas que lidavam com eles. Ele morreu em 1012 em Anderlecht de exaustão e seu túmulo foi esquecido até que um cavalo o desenterrou. Suas relíquias foram trasladadas para uma igreja próxima em 1076 e vários milagres foram creditados a sua intercessão. Não obstante, por causa da guerra, suas relíquias foram trasladadas e escondidas em vários locais por séculos, mas foram destruídas por protestantes fanáticos no 18° século. Ele é padroeiro da cidade de Anderlecht na Bélgica, dos estábulos, dos sacristãos e daqueles que trabalham com cavalos. Na arte litúrgica da Igreja ele é mostrado como um camponês orando com um anjo a arar a terra para ele, ou 2) com um camponês com um livro, ou 3) como um peregrino com um chapéu, ou 4) como um peregrino com um cajado, um rosário e com um machado a seus pés. Sua festa é celebrada no dia 12 de setembro.