Santo do Dia

<<  19/08/2018(DOMINGO)  >>

São Luiz de Toulouse

Nasceu em 1274 em Nocera e era filho de Carlos II de Anjou, Rei de Nápoles. Era sobrinho de São Luiz IX e filho de Mary da Hungria, que era sobrinha neta de Santa Elizabeth da Hungria. Apesar de em alguns textos ele ser chamado de primogênito ela era o segundo filho de Carlos II. Ele é chamado de primogênito porque ele sucedeu em direito o seu irmão Carlos Martel (falecido em 1295). Em 1288 Luiz foi enviado com dois de seus irmãos ao Reino de Aragao como reféns no lugar de seu pai que havia sido derrotado e capturado na batalha naval de Nápoles pelos Sicilianos e os Aragons em 1284. Durante os sete anos de cativeiro (1288-95) no Castelo de Siciurana, Diocese de Tarragona e Barcelona a educação dos príncipes ficou a cargo dos freis franciscanos, entre eles Ponzius Carbonelli, Peter de Falgar e Ricardo de Midleton. Pedro João Olivi, o grande Diretor Espiritual franciscano, era um dos seus amigos e em 18 de maio de 1295 escreveu a eles uma longa carta publicada pelo Ehrle no Archiv Litt .u. Kirchengesh III 534,40 . Luiz superou em muito os seus irmãos pela capacidade, santidade e bondade e em 1294 se tonou um frade menor da Ordem dos Franciscanos. Ele se tornou um especialista nas Escrituras Sagradas e era um notável pastor. Ele estava ainda cativo quando o Papa Celestino V confiou a ele em 7 de outubro de 1294 a administração do Arcebispado de Lions. Diz a tradição que ele tinha o Dom de conhecer a mente dos devotos e assim suas confissões eram notáveis obras de perdão pois conhecia de antemão os problemas do confessando. Em novembro de 1295 Luiz retornou a Nápoles. O Papa Bonifácio VIII o nomeou Bispo de Toulouse, mas Luiz desejando ser Frei, recebeu o hábito franciscano em Roma do Ministro Geral João Minio Murro em 24 de dezembro de 1296 e imediatamente fez um voto solene. Ele foi consagrado Bispo em 29 de dezembro a após a festa de Santa Ágata ( 5 de fevereiro de 1927) ele apareceu publicamente com o hábito franciscano. Suas virtudes eram por todos admiradas. Ele era considerado o pai dos pobres e um modelo de administrador. O seu episcopado muito foi breve visto que em uma viagem que fez a Brignoles contraiu uma febre e veio a falecer 1297 com apenas 6 meses de bispado. Pouco se tem de seus trabalhos literários. Recentemente entretanto, Amelli publicou nos Archivium Franciscanum Historicum II ( Quaracchi 1909) 378-83 um pequeno tratado musical (hinos) escrito pelo santo, onde ele aparece sendo o autor de Liber de Musicae Commendatione e ainda de alguns brilhantes sermões. Foi canonizado pelo Papa João XXII em 7 de abril de 1317. Suas relíquias repousaram na igreja franciscana em Marselha até 1423 quando foram levadas por Afonso V de Aragon, para a Catedral de Valência da qual cidade Luiz se tornou padroeiro. Sua festa é celebrada na Ordem Franciscana no dia 19 de agosto, e foi decretada pelo Capelão Geral de Marselha em 1319 e no Oficio Tecum composto pelo irmão do santo, Rei Roberto de Nápoles e inserido no Breviário pelo Capelão Geral de Marselha em 1343 e abolido do Breviário pelos Trinitários, na Reforma do Breviário feita em 1568 pelo Papa Pio IV. (Acta SS Augus, III, 805 Pius IV, 1568). Sua festa é celebrada no dia 19 de agosto.