Santo do Dia

<<  09/06/2018(SÁBADO)  >>

Santa Pelágia da Antioquia

Santa Pelágia da Antioquia ou Santa Marina no Leste. Era uma notória dançarina na Antioquia, e durante um Sínodo passou pelo Bispo São Nonnus de Edessa e provocou a sua atenção. Ele teria dito: "Esta garota é um lição para nós bispos! Ela tem maior trabalho para conservar a sua beleza que nós temos em conservar as almas de nosso rebanho"! No dia seguinte ela foi ouvir ele pregar. Seu sermão mudou o seu interior e ela se arrependeu e recebeu o batismo. Ela deu toda sua fortuna para os pobres e deixou a Antioquia foi para Jeruzalem disfarçada em homem. Ela viveu em uma caverna como eremita no Monte das Oliveiras, sob o nome de Pelagius. Vivia em grande austeridade e penitencia para tentar compensar sua vida anterior. Conhecida como "o monge sem barba", seu sexo não foi descoberto a não ser após sua morte. Esta versão diz ainda que Pelágia era um discípulo de São Luciano e quando os soldados chegaram para prende-los, sentiu que seria estuprada ao descobrirem seu sexo e pediu para trocar suas roupas. Ela foi para cima com esse pretexto e de lá saltou para fugir, mas calculou mal a queda e acabou morrendo. São João Crisóstomos, nativo da Antioquia escreveu duas homilias em sua honra saudando a sua coragem que ele atribuía a inspiração divina. Ela também é lembrada no Canon Ambrosiano. Santa Pelágia na liturgia da Igreja é em geral mostrada descoberta como sendo mulher pelos monges após sua morte 2 ) com um crucifixo em sua cova ou em sua caverna 3) com o seu corpo sendo trazido para Jerusalém em uma procissão 4) ouvindo a São Nonnus. Diz a tradição que ela curava os doentes apenas com a sua benção e oração, e como era muito linda, quando tinha que ir a cidade para fazer compras de alimentos, se disfarçava em roupas de homem. Sua festa é celebrada no dia 8 de outubro no Leste e em 9 de junho no Oeste. Conhecida no Leste, em especial na Grécia e Rússia, como Santa Marina. Ver bio de São Luciano da Antioquia.

2) Santa Pelágia de Tarsus. Outra versão da história da mesma santa diz que ela era uma linda garota em Tarsus Cilícia, e o filho do imperador Diocleciano apaixonou-se por ela e sendo cristã ela o rejeitou. Várias ameaças de torturas não mudaram sua decisão. Diz ainda a versão que o filho de Diocleciano teria se suicidado e Diocleciano também fez várias tentativas para conquista-la. Quando finalmente desistiu resolver criar uma especial tortura para a Pelágia. Mandou fazer um touro de bronze e ela foi colocada dentro dele, e tostada até a morte. Existem várias santas com o nome de Pelágia e Marina (as histórias são bem parecidas e misturadas e os dois nomes são os mesmos em latim e grego). A idéia que elas sejam talvez histórias fictícias que seriam uma versão cristianizada de Afrodite e Vênus foi extensamente examinada e firmemente rejeitada pelo emitente hagiógrafo Hippolyto Delehayer e pelo grande Jacopo de Varezze, cujo libro "Legenda Dourada"de 1926 está hoje disponível em português traduzido pelo Professor Hilário Franco Junior, sob o título "Legenda Aurea".

São Cirilo da Alexandria

Nasceu na Alexandria, Egito em 376 e era o sobrinho do Patriarca da Alexandria Theophilus e foi bem educado e ordenado por ele. Em 403 acompanhou seu tio a Constantinopla (moderna Istambul, Turquia) onde eles atenderam o Sínodo de Oak, no qual São João Chrysostomo foi deposto. Quando Theophilus morreu em 412, Cyrilo o sucedeu. Cyrilo começou seu reinado fechando igrejas de seitas hereges, por exemplo os Novatinistas. Ele expulsou os judeus da Alexandria e teve vários desentendimentos com Orestes, o Governador da cidade. Em 430 ele condenou o herege Nestórius na Alexandria e convenceu ao Papa São Celestino (422-432) a convocar um Concílio em Roma. Em 431, a pedido do Papa, ele presidiu o Consilho de Éfesus. Lá ele condenou Nestórius, mas foi deposto pelo Arcebispo João da Antióquia e seus seguidores. Cyrilo e Nestórius foram presos mas o Imperador Theodosius II (408-450) soltou Cyrilo devido a intervenção papal. Nestórius foi mais tarde condenado por todas as facções. São Cirilo da Alexandria é muito respeitado pelos seus escritos sobre a Incarnação e a Trindade. Treinado na tradição alexandrina ele é lembrado como um dos mais brilhantes escolares da cidade. Ele escreveu comentários sobre os Evangelhos de São Lucas e de São João e outras escrituras, bem como cartas sermões, uma tese contra os Galileas e uma contestação ao Tratado contra os Cristãos do Imperador Juliano, o Apóstata (361-363) que é considerado um dos grandes trabalhos apostólicos da época, sobre a fé cristã. Faleceu em 444 de causas naturais. Ele foi declarado Doutor da Igreja pelo Papa Leão XIII (1878-1903). E o patrono de Alexandria e o Pai da Igreja Grega. Sua festa é celebrada no dia 9 de junho. No Leste é celebrada no dia 9 de fevereiro.