Santo do Dia

<<  15/05/2018(3ª-FEIRA)  >>

Santa Dymphna

Santa muito popular na Europa e é conhecida pela sua lendária historia, na qual era uma linda filha de um chefe Céltico pagão. Convertida ao cristianismo, ela fugiu de casa após a morte de sua mãe para escapar aos torpes assédios de seu pai, que tentou até mesmo violenta-la. Fugiu para a Bélgica em companhia do seu confessor São Gerebernus, um velho padre amigo da família e dois companheiros ajudantes. Eles fundaram um oratório perto de Amsterdã e passaram a viver como eremitas. O pai de Dymphna entretanto mandou caça-los e acabou encontrando-os e ele matou Gerebernus e os dois companheiros. Ele ordenou que ela retornasse com ele, mas ela se recusou e acabou sendo torturada e finalmente num acesso de fúria ele a degolou. As relíquias dos quatro mártires foram descobertos anos mais tarde em Gheel, perto de Amsterdã, no século 13 e milagres foram relatados entre os doentes de insanidade, possessão e epilepsia. Por isto um asilo foi construído no exato local do achado, e ainda está por lá e continua a tratar dos mentalmente doentes e milagres ainda são reportados como creditados a intercessão de Santa Dymphna. Ela é protetora dos mentalmente insanos, dos que sofrem colapsos nervosos, stress, dos epilépticos e é invocada contra o sonambulismo e a insônia. É a padroeira do profissionais que trabalham com a saúde mental, psiquiatras e psicólogos. Em alguns locais é comum orar o Rosário de Santa Dymphna com 18 contas amarelas representando seus poucos anos de vida e duas contas límpidas e transparentes representando sua pureza e no final a sua medalha. Na arte litúrgica da Igreja, ela é representada 1) com uma princesa segurando uma espada, 2) afugentando o demônio com a espada, 3)com São Gerebernus, 4) como uma princesa segurando uma lâmpada, 5)orando enquanto seu pai assassinava Gerebernus, 6) orando numa nuvem cheia de lunáticos presos com correntes de ouro, 7) sendo decapitada pelo pai.

Santo Isídro

Nasceu em Madri, Espanha na metade do seculo 12. Grande parte da sua vida foi empregado rural no campo. Maravilhas acompanharam a sua vida e por muito tempo o acompanharam após a sua morte Ele foi favorecido com visões celestiais e dizem que os anjos algumas vezes o ajudavam nos campos. Foi canonizado em 1622. Conta a tradição que denunciaram ao seu patrão que ele ia a igreja rezar e por isto chegava tarde ao trabalho. Certa vez o patrão escondeu-se no matagal a meio caminho entre a igreja e o campo e o flagrou. Após repreende-lo, voltaram para o campo onde maravilhados, viram que os bois estavam sozinhos, lavrando o campo onde era para Isídro lavrar.Em 1947 foi proclamado patrono da Conferencia Nacional Rural dos Estados Unidos.É o padroeiro dos fazendeiros e trabalhadores do campo. Sua festa é celebrada em 15 de maio

São Pacômio

também conhecido com São Pachomius de Tabenna. Nasceu em Thebaid perto de Esneh, Egito em 20 e faleceu em Tabennisi Egito no dia 15 de maio de 348 . Pacômio era filho de pais pagãos e convocado par ao exercito de Tebas com 20 anos e provavelmente ajudou o Imperador Maximinus em sua guerra contra Licinius e Constantino.Quando a unidade chegou em Thebas os oficiais notando a relutância dos recrutas eles os aprisionaram. Eles foram levados Nilo abaixo como virtuais prisioneiros sob terríveis condições. Mas os soldados eram alimentados e tratados com bondade pelos cristãos de Latopolis enquanto eles eram embarcados através do Nilo e Pacômio ficou impressionado com isto. Quando o exército debandou após a derrubada de Maximinus ele voltou a Khenoboskion ( Kasr-as-Sayd). A bondade dos cristãos levou Pacômio a indagar sobre sua fé e ele passou a ser um dos cristãos nas catacumbas e em 314 DC ele recebeu o batismo. Pacômio desejava ser um homem fiel e servir a Deus com perfeição e desejava também ser um exemplo aos demais. Ele conheceu um eremita chamado Palaemon e pediu para ser seu seguidor. Eles viviam de uma forma muito austera ganhando dinheiro para ajudar os pobres e para a sua própria subsistência e freqüentemente oravam a noite. Pacômio não usava vinho nem óleo em sua comida até mesmo na Páscoa e freqüentemente orava noites inteiras. Andava descalço sobre pedras para lembrar do sofrimento de Cristo na cruz. Um dia em 318 enquanto caminhava no Deserto de Tabernnisi a margem do Nilo, ao norte de Thebas Pacômio ouviu uma voz dizendo que ele deveria construir um monastério naquele local. Ele também experimentou uma visão na qual anjos dirigiam a sua vida religiosa. Os dois eremitas construíram uma casa juntos, em 320. O primeiro seguidor de Pacômio foi o seu irmão João, que escreveu a primeira regra para os monges e em pouco tempo eles estava com 100 monges. Pacômio escreveu a primeira regra de comunhão para monges e foi uma inovação para os monges eremitas. O seu estilo de vida era severo mas menos rigoroso que os monges eremitas típicos. Seu hábito era uma túnica de linho com um capuz que impedia de ver o outro monge enquanto ele comia e o silencio era imperativo.O silencio era observado a todo tempo. Ele usava em seus ombros uma pele de cabra chamada de Melotes.Os monges aprendiam a bíblia diariamente e se juntavam diariamente para as orações.Os trabalhos de cada um eram proporcionais a sua força. Eles recebiam a Sagrada Comunhão no primeiro e no ultimo dia da semana. Os noviços eram testados com maior severidade antes de serem admitidos, receberem seus hábitos e proferirem seus votos. A sua regra influenciou São Basil e São Benedito (criador da Ordem dos Beneditinos). 32 passagens da Regra Beneditina são baseadas nas regras de São Pacômio. Pacômio passou 15 anos sem se deitar e às vezes tirava um descanso sentado em uma rocha. Ele dispensava o sono porque queria empregar seu tempo nos exercícios do Amor Divino. Desde a sua conversão ele nunca comeu uma refeição completa. O santo com o maior cuidado confortava e recebia em sua comunidade os doentes e nunca rejeitou nenhum muito doente ou fraco . O santo monge deseja levar almas para o céu e o fervor o levada ao caminho da perfeição. Ele abriu 6 outros monastérios e um convento para irmãs no lado oposto do Nilo (mas nunca as visitava) e 336 viviam em Pabau, perto de Thebas o que mais tarde ficou maior e mais famoso que o de Tabennisi. Ele era um excelente administrador e agia como Superior Geral. As comunidades se dividiam em casas conforme o que faziam tais como padeiros, agricultores e costureiros. Os produtos dos Mosteiros eram vendidos em Alexandria. Por causa de sua vida como militar ele transferia monges de uma casa para outra, para o bem do todo, como se fosse um general . Havia os superiores locais e diácono responsável por cada casa. Todas estas autoridades se encontravam a cada ano na Páscoa e em Agosto para rever os feitos anuais e planejar o ano seguinte. Pacômio construiu uma igreja para pobres pastores e agia como reitor, mas ele recusava ordenar ou apresentar seus monges para serem ordenados embora permitia que padres servissem em sua comunidade.Pacômio também tinha um enorme sendo de justiça. Embora o dinheiro recebido era destinado aos pobres, quando um dos procuradores vendia algo por um preço mais alto que ele já havia ordenado, ele mandava que o dinheiro fosse devolvido aos compradores e castigava o procurador por avareza. O autor de sua Vita nos consta que o santo tinha o dom das línguas. Embora nunca tivesse aprendido Latim ou Grego ele podia falar fluentemente ambas. Pacômio também é creditado com vários milagres. Curava varias doenças ou aflições mas com uma cláusula ou condição: “somente se fosse para o bem de sua alma”. O seu discípulo predileto, São Theodorus, que após a sua morte o sucedeu como Superior Geral tinha uma perpétua dor de cabeça. Pacomio quando pedido para orar pela sua cura respondeu: “Embora abstinencia e oração são de grande mérito, a doença sofrida com paciencia tem mérito ainda maior”. Pacômio foi um oponente do Arianismo e por esta razão foi denunciado no Concílio de Bispos em Latopolis, mas foi completamente inocentado. Embora nunca sido ordenado ele era muito respeitado e foi visitado por Santo Athanasius em 333 DC. Na época de sua morte havia 3000 (algumas fontes dizem 7000) monges em nove Mosteiros e dois Conventos para mulheres. Ele morreu em uma epidemia em 348 DC. Foi uma das maiores figuras da história do monasticismo. Na arte litúrgica da Igreja ele é mostrado como um eremita segurando as tábuas de suas regras, 2) ou é mostrado com anjos trazendo para ele as regras monásticas,3) ou tentado pelo demônio, ou 4) com São Palaemon, ou 5) caminhando entre serpentes. Sua festa é celebrada no dia 9 de maio. No Leste é celebrada no dia 15 de maio.