Santo do Dia

<<  12/04/2018(5ª-FEIRA)  >>

São Sabas

Morto em 372. A descrição do martírio de Sabas foi narrada em uma carta logo após sua morte nas mãos do governo dos Gothes ao norte do Danúbio. São Jerônimo conta que o Rei Athanaric iniciou a perseguição aos cristãos em 370. Sabas convertido ao cristianismo desde de jovem era padre em Sensala (hoje Targovite na moderna România). Sabas era um cristão exemplar com virtudes de obediência e humildade e amava cantar hinos nas igrejas e decorar os altares.Seu desejo por castidade era tão grande que ele até mesmo se refreava em falar com mulheres a menos que fosse absolutamente necessário. Mais que tudo, Sabas amava a verdade. Sabas denunciou a prática de alguns cristãos que pretendiam comer carne oferecida aos deuses pagãos embora na verdade os animais não tinham sido sacrificados aos deuses e era um “falso arranjo” com alguns oficias corruptos. Ele disse que esses cristãos deveriam renunciar a sua fé por esta falsidade. Por isto ele foi forçado em exílio, mas mais tarde foi permitido retornar. Durante outras perseguições no ano seguinte vários cristãos disseram que não havia nenhum cristão entre eles, mas Sabas anunciou em voz alta que era cristão. Com isto foi preso, mas depois solto como um cristão insignificante que não tinha nem roupas nas suas costas e não poderia causar nenhum mau. Logo antes da Páscoa de 372 a perseguição retornou com mais fúria. Athanarius e suas tropas entraram onde Sabas dormia o prenderam. Eles o tiraram da cama sem permitir que se vestisse acabaram de despi-lo e o acoitaram e o arrastaram sobre um solo cheiro de pedras. Ao nascer do sol ele disse aos seus perseguidores “Você não me arrastaram através de solo duro e cheio de pedras? Veja se meus pés estão feridos ou se os socos que me deram deixaram qualquer impressão no meu corpo”. Seu corpo não tinha nenhuma marca de arranhões ou hematomas. O que deixou seus carrascos furiosos e eles o levaram para um "rack" improvisado em uma casa próxima e o esticaram. Sebas recusou a oportunidade de escapar quando a dona da casa o desamarrou a noite. Ele passou o resto da noite ajudando a mulher a preparar os alimentos para a sua família. No dia seguinte foi pendurado pelos dedos em dois madeirames da casa e ofereceram carne de animais que haviam sido sacrificados aos ídolos. Ele recusou . Um dos escravos de Atharidus bateu com a ponta de sua queixada de Javali, no peito de Sabas, com tal força que todos os presentes pensaram que ele havia morrido. Mas ele estava sem nenhum ferimento. Nesta hora Athanridus declarou que Sabas fosse afogado. Em uma das margens do rio os soldados queriam deixá-lo ir. Ouvindo-os Sabas perguntou porque eles eram tão preguiçosos em obedecer às ordens e continuou: “Eu vejo o que vocês não podem: Eu vejo uma pessoa do outro lado do rio pronto para receber a minha alma, Ele somente espera o momento que ela deixar o meu corpo”. Em seguida ele foi amarrado a um poste e enfiado de cabeça para baixo no Rio Buzau (Mussovo) até que estivesse morto.Esta morte por madeira e água, disse um dos estudiosos, é exatamente o símbolo da salvação pois é o símbolo do batismo e da cruz! Depois que ele morreu, eles os retiraram d’água e deixaram sem enterrá-lo, mas cristãos das proximidades protegeram seu corpo dos animais e aves predadoras. Jonius Soranus , duque de Scythia, um homem temente a Deus enviou o corpo para a Cappadócia, com uma carta enviada com as relíquias para a igreja da Cappadocia governada por São Basil, narrando o martírio de São Sabas. Na arte litúrgica da Igreja Sabas é mostrado suspenso pelos dedos em uma figueira ou sendo atirado no rio. Ele é muito venerado na România. Sua festa e celebrada no dia 12 de abril.

São Zeno de Verona

Nascido Norte da África e faleceu em Verona no dia 12 de abril de 371. As festas adicionais em Verona são celebradas no dia 12 de maio –traslado de suas relíquias e 6 de dezembro– sua consagração episcopal. Como em seus sermões Zeno descrevia como uma testemunha ocular o martírio de São Arcadius, provavelmente ele nasceu na Mauritânea perto de Algéria em torno de 302 DC. Em 8 de dezembro de 362 no reinado de Juliano São Zeno foi consagrado Bispo de Verona, possivelmente pelo Arcebispo Aussenzius de Milão.Logo após a sua chegada em Verona, ele combateu ferozmente idolatria que havia se espalhado pela cidade e conseguiu até mesmo reduzi-la nas regiões vizinhas onde o paganismo estava muito mais entrincheirado. Ele se opôs ao Arianismo e defendeu a eterna geração do Verbo, em íntima união com o Espírito Santo o Filho e o Pai. Seu sucesso em parte se deve a sua notável capacidade como orador. Zeno atraia multidões em seus sermões, 93 dos quais ainda existem, a mais antiga coleção de homilias em Latim que ainda existem. De fato multidões eram tão massivas que Zeno foi obrigado a construir uma catedral maior. Cada Páscoa muitos corações eram convertidos e batizados na nova fé. Ele pregava freqüentemente para um grupo de freiras que viviam em um Convento em Milão e ( muito antes de Santo Ambrósio) ele já encorajava as virgens que viviam em casa a se consagrarem. Enquanto Zeno tinha a reputação de um pastor muito trabalhador que com o maior zelo construía igrejas, ele é lembrado primeiramente com um escritor eclesiástico especialmente em tópicos como a virgindade de Maria no nascimento do Senhor. Seus sermões são de especial interesse para a informação, e fornecem ao ensinamento do Cristianismo, organização, culto, adoração e a vida no 4º século. Ele salientava a importância dos sacramentos para vida cristã. Para ele Batismo era o “Sacramento que de verdade que chama os homens mortos para a vida” . Embora seus sermões nunca mencionaram a Eucaristia ele indiretamente enfatizava a sua importância ao falar “do precioso pão e o vinho que vem da mesa do Pai ” e advertia ao seu rebanho que “nunca deviam tomar o Sacrifico sem estar preparado porque oferecer o sacrifico sem preparo era sacrilégio e tomando-o assim era mortal”. São Zeno oferece um conselho prático para a vida cristã. Ele nota que a fé na verdade revelada por Deus era necessária, mas importante para a eterna salvação era a caridade. Muitos detalhes a cerca da vida de Zeno vem de documento medievais.De acordo com estas historias Zeno gostava de pescar no Rio Adige ( o segundo maior da Itália) que percorre Verona e ele tinha sido um pescador antes de ser consagrado. Por esta razão ele escolhia viver em grande pobreza e reclusão. Pelos seus preceitos e o seu exemplo o povo era liberal nas suas dádivas e as suas casa eram sempre abertas para estrangeiros pobres, às vezes até mesmo desconhecidos e nem chegavam a pedir abrigo. Ele os congratulava em não serem avarentos e guardarem alem do necessário e sim ajudarem aos pobres. “Para que ser mais rico que o homem que Deus o tem como devedor? ” Esta inspiração de caridade provou ser vital quando os Godos conquistaram a vizinhança e tomaram vários cativos. O povo de Verona era os que mais ofereciam suas possessões para resgatar prisioneiros. Zeno é tido como tendo salvo Pistoia, Itália da inundação criada pela confluência dos rios Arno e Ombrone no que agora é conhecido como o Passo de Gonfolina e doura feita com narra Gregório o magno, o milagre que teve lugar dois séculos após a morte de Zeno baseado em testemunhas. Em 589 o Rio Adige ameaçou Verona e o povo correu para a igreja de seu padroeiro Zeno. As águas pareceriam respeitar as portas e apesar de estarem muito altas( elas ficara tão altas quando as janelas) mas nunca as águas entraram em sua igreja. A devoção a São Zeno cresceu por este e outros milagres e no reinado de Pepin, filho de Carlosmagno o Bispo Rotadus de Verona, trasladou as relíquias de Zeno para uma nova e espaçosa Catedral. Seu corpo hoje está em uma magnífica igreja Romanesca na Itália, a Igreja de São Zeno Magiore em Verona. No “timpanum” sobre a porta oeste está esculpido o santo de pele escura segurando uma vara de pescar enquanto pisa no demônio. A tumba de Zeno é grande, uma cripta do 12 º século onde ele foi colocado depois de estar em várias igrejas. Na arte litúrgica da Igreja ele é representado como um Bispo com um peixe ou segurando uma vara de pescar ou segurando o seu báculo.Ele é invocado como protetor das crianças para falar e andar, é o padroeiro de Verona. Sua festa é celebrada no dia 12 de abril.