Santo do Dia

<<  20/03/2018(3ª-FEIRA)  >>

Santo Ambrósio de Siena

Nasceu em 1220 em Siena. Filho de um contador ele nasceu tão deformado que sua mãe o deu para os cuidados de uma enfermeira. A enfermeira contava que a única hora que a criança tinha paz era quando estava dentro da igreja dominicana especialmente perto das relíquias dos santos. A tradição diz que um dia na igreja a enfermeira cobriu a face do bebê com um lenço e um peregrino que estava por perto disse a ela: não cubra a face desse bebê. Ele será, um dia, o orgulho desta cidade. Poucos dias mais tarde a criança esticou seus membros deformados e pronunciou o nome Jesus e toda a deformidade o deixou para sempre. Uma criança piedosa ele se levantava a noite para orar e meditar. Na idade de quatro doze deram para ele escolher dois dos livros de seu pai. E ele escolheu um sobre santos. Na idade de 7 ele recitava já recitava de cor o Pequeno Oficio da Virgem. Caridoso mesmo quando jovem, ele trabalhava com os pobres, os doentes e os abandonados. Quando ele anunciou que queria se juntar aos frades seus pais e amigos tentaram dissuadi-lo mas Ambrósio não mudou sua decisão e entrou para o mosteiro com 17 anos. Ele estudou em Paris com São Tomas de Aquinio e com São Alberto, o Magnus e foi para Colonha com Alberto. Ambrósio queria escrever, mas vendo a grandeza de Santo Tomas de Aquino ele decidiu não tentar segui-lo e dedicou-se a pregar. Foi um dos maiores pregadores de seu tempo. Trabalhou em missões de paz com grande sucesso. Evangelizou grande parte da Alemanha, França e Itália. Místico ele recebeu extasies. Visionário. Algumas vezes levitava quando pregava, e por várias vezes foi visto cercado de luzes e pássaros brilhantes. Faleceu em 1287 de causas naturais. Foi beatificado em 1622 e seu culto confirmado em 1622. Apesar de não ter sido formalmente canonizado ele foi chamado de Santo Ambrósio de Siena, logo após sua morte. Seu túmulo se tornou um local de peregrinação e vários milagres foram creditados a sua intercessão. Na arte litúrgica da Igreja é representado como um dominicano monge cercado de luzes e pássaros, ou com uma pomba ao seu ouvido. É o padroeiro de Siena na Itália. Sua festa é celebrada no dia 20 de março

São Martinho de Braga

Conhecido tambem com São Martinho de Dumio ou São Martinho Dumiense Nasceu em 520DC em Pannnoni perto do Danúbio, foi bispo e evangelista e converteu o Rei dos Visigodos na Espanha. Fez um peregrinação a Terra Santa e depois se instalou na Espanha. Tido como um dos notáveis escolares de sua época ele construiu o Monastério de Dumium em Mondonedo, Espanha e mais tarde foi indicado bispo de Braga (Portugal)e da Galícia metropolitana. Escreveu vários tratados inclusive o famoso Formula Vitae Honestae e o De Correctione Rusticorum este ultimo tido com extenso e extremamente inteligente e no qual vários conceitos foram por ele esclarecidos. Já no seu Tratado dos Costumes (De Moribus), prolonga o tema da obra anterior, mas reforça a sua componente ascética, como era timbre do movimento monacal de então, no quadro de um ideal de recolhimento e de purificação interior, assumindo-se a solidão como a forma mais prudente de viver com inculpáveis, por ter melhor e mais formoso ânimo aquele que trata sobretudo com Deus. Seguem-se os tratados De ira, Pro repellenda jactancia, De superbia e Exhortatio humilitatis. O primeiro constitui um comentário da obra de Séneca com o mesmo nome, sendo a ira analisada no seu contraste com a prudência e a fortaleza, uma forma de loucura que desta apenas se distingue pela sua dimensão mais momentânea. O segundo e o terceiro tratados versam sobre a crítica ao orgulho e ao amor-próprio, que levam o homem a esquecer o quanto deve a Deus na consecução dos seus atos mais grandiosos. O quarto é o culminar dos anteriores, exortando a humildade como a mais excelente das virtudes cristãs, pois parecendo que mais rebaixa o homem, é no entanto a que mais o eleva, sendo mais alta que o céu, pois o conduz para o seu reino. Uma última referência cabe ainda ao De correctione rusticorum, obra de fecundo interesse etnológico e antropológico, por fixar e descrever as práticas religiosas mais comuns entre as religiões pagãs da Galécia, em boa medida de inspiração céltica. Nesta obra, de intenção eminentemente evangelizadora, expõe o essencial da doutrina cristã acerca da criação do mundo e do homem, mas em fórmulas claras, tendo em vista o auditório a que se destinavam, transformando o pragmatismo e a simplicidade em caracteres gerais de doutrinação, em articulação com as exigências pastorais da época. Pelo conjunto das suas obras de doutrinação moral, pela sua ação pastoral em prol da correção dos rústicos, pela conversão do reino dos suevos e também pela ação cultural do Mosteiro de Dúmio, por ele fundado, a qual se desenvolveu por toda a idade média, São Martinho tem uma presença marcante nesta época remota da história cultural da Península. Diz a tradição que recebia visões de anjos nas suas inspirações e que curava vários doentes apenas com a sua benção e oração.Escreveu inúmeros textos, homilias sermões sendo vários sobre moral, sobre liturgia e tratados sobre a vida ascética .Veio a falecer em Dúmio no dia 20 de março de 580 e seu túmulo logo se tornou local de peregrinação e vários milagres são creditados a sua intercessão. Sua festa é celebrada no dia 20 de março.