Santo do Dia

<<  08/02/2018(5ª-FEIRA)  >>

Santa Josephina Bakhita

Nascida no ano de 1868 em Oglassa, Darfur, Sudão de uma família Sudaneza rica ela foi seqüestrada por mercadores de escravos com 9 anos e após torturada foi dado o nome de Bakhita (que significa a "afortunada") pelos mercadores e vendida no mercado de El Obeid em Khartoun. Finalmente comprada em 1883 por Callisto Legnani, cônsul italiano que panejava liberta-la .Ela acompanhou Legnani a Itália em 1885 e trabalhou para a família de Augusto Michieli como babá. Ela foi muito bem tratada pelo italianos e passou a amar a Itália com sua pátria. Convertida já adulta, ela entrou para a Igreja em 9 de janeiro de 1890 e tomou o nome de Josephina como um símbolo de sua nova vida. Ela entrou para o Instituto das Filhas de Caridade de Canossiano, em Veneza em 1893 tomando seus votos em 8 de dezembro de 1896 em Verona e servindo como freira pelos próximos 50 anos. Sua presença gentil, sua voz amável, seu calor humano, e sua obstinação e vontade em ajudar qualquer tarefa que confortasse os pobre e os sofredores que iam a porta do Instituto, a fizeram famosa em pouco tempo. Quando sua biografia foi publicada em 1930 vários iam procurá-la para fizesse seus discursos e sermões para arrecadar fundos para as missões. Faleceu em 8 de fevereiro de 1947 de causas naturais na Itália. Foi beatificada pelo Papa João Paulo II em 1992 e canonizada em 1° de outubro de 2000 também pelo Papa João Paulo II na Basílica de São Pedro em Roma, embora fosse uma santa originária do Sudão. Foi canonizada em 2000 pelo papa João Paulo II, após o reconhecimento, pelo Vaticano, de um milagre de cura ocorrido em Santos, Brasil em 1992. Eva Tobias da Costa solicitou a intercessão de Josephina Bakhita para sanar suas feridas incuráveis, o que aconteceu de imediato. Foi indicada padroeira do Sudão. Cerca de mil fiéis estiveram presentes na inauguração da primeira igreja do Estado de São Paulo em louvor a Santa Josefina Bakhita, no dia 04/02/2006. Na entrega do templo, à Rua República Portuguesa, 18 (Vila Mathias), foi celebrada Missa ao ar livre pelo Bispo Diocesano Don Jacyr Francisco Braido, auxiliado pelo Pe. José Paulo, pároco da nova capela.

São Jeronimo Emiliane

Nasceu em 1841 em Veneza Itália Nasceu de família rica, filho de Ângelo e Eleanor Mauroceni Emiliani. Seu pai faleceu quando era adolescente e ele fugiu de casa aos 15 anos. Após uma juventude mundana ele se tornou soldado em Veneza em 1506. Comandou a Liga das Forças de Cambrai na fortaleza de Castelnuevo nas montanhas perto de Treviso. Capturado pelas forças opostas em 27 de agosto de 1511 ele foi algemado em um calabouço com correntes e bolas de metal. Ele orou para a ajuda de Nossa Senhora e foi milagrosamente libertado por uma aparição e levou suas correntes para pendurar na parede da Igreja como uma oferenda. Enquanto estudava para o sacerdócio, ele foi prefeito de Treviso. Ordenado no auge da praga de 1518. Cuidou dos doentes e colocou os órfãos em sua própria casa onde ele os alimentava, e vestia e tratava. A noite ele andava pelas ruas queimando as roupas e aqueles que já estavam mortos para evitar a propagação da peste. Contraiu a praga mas milagrosamente sobreviveu. Resolveu vender tudo que possuía e com os recursos, fundou sete orfanatos, um abrigo para prostitutas arrependidas, e um hospital. Diz a tradição que ele curava os doentes apenas com a sua benção e oração. Fundou a Ordem do Somashi ( Companhia dos Servos dos Pobres) em 1532 uma companhia que jurava cuidar dos órfãos e com o nome por causa da cidade de Somasca, onde eles começaram e onde eles fundaram um seminário. A Sociedade recebeu a aprovação do Papa Paulo III em 1540 e continua seu trabalho até hoje em mais de uma dúzia de paises. Ele é creditado como tendo criado o catecismo em forma de perguntas e respostas como uma técnica de ensinamento para as crianças, ainda usada por muitos religiosos até hoje. Declarado padroeiro dos órfãos e crianças abandonadas em 1928 pelo Papa Pio XI. Faleceu em 8 de fevereiro de 1538 de uma doença que contraiu cuidando pessoalmente dos doentes. Alguns acham que foi uma segunda e terrível febre cuja recaída era fatal. Beatificado em 29 de setembro de 1747 pelo Papa Benedito XIV e canonizado em 16 de julho de 1767. Na arte litúrgica da Igreja ele é mostrado com uma corrente e uma bola de metal, ou 2) com uma criança a seu lado, ou 3) com a Virgem Maria libertando-o das correntes, ou 4)com a Virgem Maria aparecendo para ele. Sua festa é celebrada no dia 8 de fevereiro

São João da Matha

Conhecido no Brasil como São João da Mata. Nasceu de família nobre em 23 de junho de 1160 em Faucon, Provença, França. Educado em Aix, recebeu o Doutorado em Teologia na Universidade de Paris e foi ordenado em 1197. Na primeira missa que celebrou, ele teve a visão de um anjo vestido de branco com uma cruz vermelha e azul no peito. O anjo colocava suas mãos na cabeça dos escravos que estavam ajoelhados ao lado dele. Anos mais tarde, a beira de um riacho com o seu amigo, São Feliz Valois, eles tiveram uma visão de um grande veado branco com uma cruz vermelha e azul presa entre seus chifres. Com o encorajamento do Papa Inocencio III, (algumas fontes dizem que o Papa havia tido uma visão semelhante e por isto rapidamente aprovou a Ordem), eles fundaram a Ordem dos Hospitaleiros da Santíssima Trindade e Cativos, (Os Trinitários) para resgatar prisioneiros cristãos das mãos dos Mouros. A roupa do anjo: branca com a cruz azul e vermelha no peito se tornou o hábito da Ordem. A Ordem foi colocada sob a proteção da Nossa Senhora do Bom Remédio e foi ainda instituído o Escapulário da Santíssima Trindade e João foi seu primeiro Superior Geral. Eles conseguiram a aprovação do Rei Philip Augustus da França e viajaram por todo o país coletando dinheiro para os resgates. A Ordem cresceu e espalhou-se pela França, Espanha, Itália e Inglaterra. Os Trinitários iam ao mercado de escravos no Norte da Africa e em outros locais, compravam os escravos e os libertavam. Em pouco tempo centenas de prisioneiros foram libertados e puderam retornar aos seus lares. Por causa de vários elementos como visões, prisioneiros, cavaleiros resgatados etc, a história de João da Mata tornou-se um tópico principal de várias histórias e lendas da Idade Média, várias delas repletas de ficção. Hoje existem 600 membros da Ordem em várias prisões, em 20 países e recentemente celebraram seus 800 anos de existência. João faleceu de causas naturais em 12 de dezembro de 1223 e foi canonizado em 21 de outubro de 1666 pelo Papa Alexandre VII. Na arte litúrgica da Igreja ele é mostrado com o hábito da Ordem(branco com a cruz azul e vermelha) segurando correntes em suas mãos ou a seus pés, ou 2) com uma mitra a seus pés, ou 3) com São Felix Valois, ou 4) com um anjo e dois cativos da sua visão, no fundo, ou 5) recebendo o escapulário da Santíssima Trindade, ou 6) recebendo uma bolsa de Nossa Senhora do Bom Remédio, com moedas para libertar os escravos. Sua festa é celebrada no dia 8 de fevereiro.