Santo do Dia

<<  02/02/2018(6ª-FEIRA)  >>

Santa Catarina de Ricci

Ela nasceu em Florença, Itália no dia 23 de abril de 1522. Sua mãe morreu quando ela ainda era criança e ela foi criada pela sua madrinha de batismo mas considerava a Virgem Maria como a sua verdadeira mãe e desenvolveu uma grande devoção a Ela. Como criança ela podia falar com o seu anjo da guarda e o anjo a ensinava preces para o seu rosário. Com a idade de 6 anos ela entrou para o Convento-Escola em Montecelli, onde sua tia Louisa del Ricci era Abadessa. Catarina desenvolveu uma enorme devoção a Paixão de Cristo. Seu pai Pedro se opunha aos seus planos de entrar para o Convento. Ele resolveu permitir, mas depois mudou de idéia. Ela continuava com sua orações em casa, mas quando ele mudou de idéia ela ficou doente. Somente quando ele finalmente concordou com a sua vocação, ela melhorou e se tornou uma terciária dominicana. Ela recebeu visões e extasies, mas estes provocaram vários problemas e dúvidas entre as freiras- exteriormente ela parecia estar dormindo ou meio abobalhada quando as visões tomavam conta dela. Catarina pensava que todos recebiam visões como ela e que estas visões seriam parte de suas vidas com Deus. Ela sofreu uma serie de doenças, que prejudicaram a sua saúde. Ela conheceu São Filipe Neri em uma visão, quando ele estava vivo e em Roma. Eles conseguiam se corresponder e ela conseguia bi locar-se (estar em dois locais ao mesmo tempo). Catarina apareceu para Filipe em uma visão e eles conversaram por longo tempo. Filipe, que era muito cauteloso em acreditar em visões, confirmou esta visita. Esta habilidade de bi-locar-se (como São Padre Pio) foi confirmado por oito testemunhas juramentadas. Ela dizia ter recebido de Jesus um anel como sinal de noivado com Ele, mas o que para ela parecia ser um anel de ouro com diamantes para os demais era um inexplicável lozângulo vermelho e um circulo em volta de seu dedo. Tinha estigmas permanentes. Com 20 anos ela começou um ciclo de 12 semanas de êxtases da Paixão, de Quinta ao meio dia até Sexta as 16 horas sempre acompanhada de sérios ferimentos e chagas. As demais freiras podiam seguir o curso da Paixão pelos ferimentos que apareciam em ordem cronológica desde os acoites, a corôa de espinhos e os ferimentos na Cruz, e quando o extase finalmente terminava ela estava coberta de ferimentos e seus ombros permaneciam profundamente afundados onde a madeira da Cruz teria se apoiado. Na primeira vez, na quaresma de 1542 ela meditava tão completamente na crucificação que ela ficava doente e só melhorava com a visão do Senhor levantando-se do Sepulcro e falando com Maria Madalena no Sábado Santo. A multidão passou a ser numerosa e constante de tal modo que as freiras rezavam para que os ferimentos ficassem menos visíveis. E Ele as atendeu em 1554. Três futuros papas (Papa Marcelo II, Papa Leão XI, e Papa Clemente VIII) foram alguns dos milhares que procuraram as suas preces. Foi prioresa aos 30 anos. Correspondeu-se com São Carlos Borromeu e São Pio V. Faleceu em 2 de novembro de 1590 em Prato, Itália e seu túmulo passou a ser local de peregrinação e vários milagres foram creditados a sua intercessão. Foi beatificada em 1732 pelo Papa Clemente XII e canonizada em 1746 pelo Papa Benedito XIV.